quinta-feira, 27 de setembro de 2007,06:14
Mãe, mulher, profissional, amiga, companheira... aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa (updated)
Passando muito muito rapidinho, só pra dizer que eu tô viva.
Tô mais ou menos (mais pra menos).
Mais uma vez o pânico me atacou, ontem não consegui vir trabalhar.
Pelo menos dessa vez o Jr tava comigo, o que ajudou bastante.
Me levou pra casa, cuidou de mim.
Mas se atrasou (mto) pro trabalho. Que ele começou essa semana.
Já imaginam como me senti, né? é.
Mas passa.. a noite tava malzona, passei o dia entre lágrimas e sono.
Conversamos bastante quase até de madugada.
E me fez bem. muito bem.
Hoje eu acordei mais serena. Com o Theo dando risada.
E a gente dizendo que ele iá ficar gordo, careca e banguela. rsrs.

Hoje tenho Pré-natal.
Ó Deus... tudo que eu queria era um Prozac...rsrsrs

Eu acho que minha médica devia ficar muito feliz.
Já tem vaga garantida no céu.
Tô me achando gorda. feia. hahaha
Quero só ver o quanto engordei....
Pedir a Eco e se der vou até fazer já.
E conversar um pouco a respeito do parto.
Estou tãão indecisa.

E por hoje é só pessoal
Odeio essas postagens curtas.
Por isso deixo aqui um texto super-ultra-mega-legal.
Pra esfregar em quem ousar dizer a maledeta frase: Gravidez não é doença!
(arrrrrrrrrrghh só de citar já me dá raiva!)
Com destaques em negrito que fiz questão de fazer.

Amigas grávidas, enjoy:


Gravidez sem estresse

Um bebê muda a vida da mãe antes mesmo de nascer.
Aceitar essas mudanças e não tentar bancar a mulher maravilha é fundamental para guardar só boas lembranças dessa fase tão especial.
Trabalho, família, ginástica, trânsito, contas para pagar, agenda social. Quem vive hoje em qualquer cidade grande tem de se equilibrar entre todas essas atividades. Acrescente-se à equação achegada de um filho e tudo ganha uma dimensão ainda maior. Se, até a década de 50, a mulher grávida parava tudo para viver em função do bebê que estava a caminho, atualmente as futuras mães precisam se dividir entre a gravidez e dezenas de outros afazeres. Resultado: muitas seguem um ritmo insano justamente no momento em que precisariam tirar o pé do acelerador – e, por vezes, ultrapassam o limite de velocidade. Essa combinação da correria cotidiana com a gestação está levando ao surgimento de um novo fenômeno, cada vez mais freqüente: o estresse na gravidez.

“Cerca de 20% das grávidas têm algum sintoma relacionado a situações de estresse físico ou mental”, diz o obstetra e médico fetal David Pares, líder do setor de Medicina Fetal do Fleury Medicina e Saúde. Pares explica que as grávidas querem equilibrar a gestação com uma série de outros desejos – boa forma física, bom desempenho no trabalho, vida social intensa – que muitas vezes são incompatíveis com seu novo estado de futura mamãe. “A grávida deixou de ser vista como uma criatura frágil e passou a ser encarada como uma pessoa igual a qualquer outra. Mas as coisas não são bem assim”, alerta o médico. “A formação do feto sobrecarrega o coração e os altos índices de progesterona [hormônio feminino produzido desde a puberdade e essencial à manutenção da gravidez] afetam a parte psicológica.”

Pares enumera alguns problemas que podem surgir caso a futura mãe exagere e não saiba controlar a tensão. “Entre as 33ª e 34ª semanas de gestação pode haver uma queda no líquido amniótico, o que significa uma alteração na circulação uterina e da placenta”, diz o obstetra. “Isso pode prejudicar o crescimento do feto.” Além disso, Pares diz que o estresse pode levar a um parto prematuro. A boa notícia: existem várias formas de evitar o estresse durante a gravidez (leia quadro). Além dos exames pré-natais, são recomendadas atividades físicas como alongamento ou ioga e até atividades manuais, que ajudam a espairecer e estimulam a concentração.

Mas é preciso que haja também a compreensão por parte de quem rodeia a gestante. O marido deve ter paciência e precisa saber que a mulher não está fazendo manha. Ainda mais fundamental é a mudança de mentalidade do chefe e dos colegas de trabalho. “A grávida ainda é vista com preconceito, e isso abala a segurança da mulher”, diz Pares.

Ocorre que, das mulheres de antigamente, esperava-se apenas que fossem boas mães. “Mas as grávidas de hoje vivem uma situação que pode ser difícil de encarar”, diz a psicóloga Tania Granato, coordenadora do grupo Ser e Criar, da USP (Universidade de São Paulo). “Existe uma pressão, tanto da própria mulher quanto da sociedade, para que elas sejam mães perfeitas sem deixar de ser profissionais competentes – e que ainda por cima continuem com o corpo bonito. São novos fatores de estresse.” Segundo Tania, a preocupação com a saúde do feto, a dor do parto, a depressão pós-parto, a perda de liberdade que virá com a nova rotina de mãe, o atraso na vida profissional e o fantasma da responsabilidade de criar um filho são medos comuns. Mas uma dica simples ajuda a eliminá-los todos de uma vez: não exija demais de si mesma.

Nesse sentido, um recurso ainda pouco conhecido, mas importante, é o pré-natal psicológico. Pode ser um alento, principalmente para as mães de primeira viagem. Muitas sentem necessidade de um acompanhamento terapêutico que as ajude a lidar com o medo e a insegurança naturais da gravidez. As consultas podem ser feitas com psicólogos particulares e, em São Paulo, um grupo de profissionais da USP oferece esse serviço gratuitamente.

Tania encerra com uma constatação que muitas vezes é esquecida na correria do dia-a-dia e na preocupação com os preparativos: cada mãe faz o melhor que pode, não existe mãe perfeita. Aceitar as próprias falhas é o primeiro passo para relaxar, deixar o estresse de lado e curtir com alegria a chegada do bebê.


A ciência a serviço dos pais
Como o aconselhamento genético pré-natal ajuda a planejar melhor a gravidez

A tecnologia também é uma grande aliada dos casais que planejam ter uma gravidez tranqüila. Atualmente, já é possível, a partir de técnicas avançadas de estudo de DNA, saber quais as probabilidades de um casal ter filhos com determinadas doenças de origem genética. Tudo começa com uma consulta, na qual um médico especialista conversa com os interessados e traça um histórico completo do casal e das doenças existentes na família. “Esse não é um serviço indicado para qualquer casal”, explica Sofia Sugayama, pediatra, especialista em genética clínica e assessora médica do setor de genética Molecular do Fleury.

“O aconselhamento genético é indicado para casais que ainda estejam planejando ter filhos, não para mulheres já grávidas.” Além disso, algumas condições que favorecem o surgimento de doenças genéticas podem fazer do casal um candidato ao serviço: mulheres com mais de 35 anos, casais com histórico de perdas gestacionais repetidas, casais consangüíneos (parentes de 1º ou 2º grau) e casais com histórico de anomalias congênitas, atraso de desenvolvimento e deficiência mental na família.


fonte: site Fleury


Bom, né? Eu gostei


bjo bjo
Até amanhã. Ou não. rsrs

UP-DATE.
Nada deu certo. Amanhã eu conto mais.

Marcadores:

 
posted by KK Camilla
Permalink ¤


9 Comments:


  • At 27 de setembro de 2007 07:34, Anonymous Naty

    Haaa querida não fik assim... olha se quiser conversar , a gente pode até se encontrar, pode me ligar(me manda um e-mail q te passo o nro)...a gente conversa, se distrai... mas amiga fica calminha confia em Deus Ele não abandona seus filhos e a obra é completa!!Beijooooos e to aki pra qq coisa!

     
  • At 27 de setembro de 2007 09:21, Blogger Alê

    Oi migaa,calmaaaa!
    Olha só eu já tinha visto essa reportagem, e conversei com meu médico a respeito disso, levei para ele e pedi para ele dar uma olhada, já estava começando a sentir op sufocamento típico das crises e o formigamento, nem chegou a ser uma crise proprimanente, mas juntando com a lordose, adivinha...Ele me afastou por tempo indeterminado.
    Eu tive crises de pânico uma vez, há uns 2 anos, tava sobrecarregada e na época do tcc, e todas as vezes os médicos me afastaram,conversa com ela, abre o jogo e fala que precisa de um tempo (tipo até a Eloah se casar, kkk) para ficar em casa.
    Bjs e fica com Deus.
    Qualquer coisa gritaaaa.

    Bjs,

     
  • At 27 de setembro de 2007 13:46, Anonymous gisele (alemanha)

    Ai KK, é difícil,né? Na minha primeira gravidez eu trabalhei até o último dia, fui pra casa às 18:00 porque estava com contracoes, mas trabalharia até às 20:00, fui pra casa dirigindo, sozinha. O Victor nasceu de madrugada. Voltei a trabalhar quando ele tinha 3 meses, ou seja, abdiquei de um mês da licenca! Hoje eu me pergunto: pra quê? Será que valeu a pena só para manter um emprego? O Vi nasceu 17 dias antes e teve uma leve hemorragia cerebral depois do parto gracas a Deus sem seqüela alguma, mas eu fiquei morrendo de remorso achando que era porque eu tinha abusado. Já com a Sofia me dei ao luxo de entrar de licenca do mestrado 2 meses antes e NAO voltei antes de ela completar 5 meses e depois acabei parando com o mestrado. Foi tudo muito mais tranqüilo Realmente estar grávida hoje em dia, é bem mais complicado, como diz o texto, temos que ser heroínas! Siga seu coracao amiga, há coisas que dinheiro (salário) nenhum paga e a saúde de um filho é a principal delas!
    Tudo de bom e boa sorte amiga!

     
  • At 28 de setembro de 2007 04:38, Blogger Cristina Tsuda

    Amiga querida, o que eu posso fazer diante desse turbilhao de emocoes e hormonios totalmente loucos e desequilibrados que sao absolutamente normal normal e normal (acho que deveria ser anormal, rs), ORAR ORAR E ORAR!!! e isso amiga, a partir de agora, estou orando por voce!!!!! Voce vai passar por mais essa, qualquer coisa, como disse uma amiga ai em cima, grita, pode gritar mesmo... meu msn e tinacaldas@hotmail.com, meu email tambem, qualquer coisa, estarei aqui, 24 horas pra te ajudar no que for preciso.
    Beijos de amor no seu coracao!!! Fica em Paz!!!

     
  • At 28 de setembro de 2007 04:52, Anonymous Naty

    LINDA QUEREMOS NOTICIAS... TENHAM UM LINDO E ABENÇOADO FINAL DE SEMANA!BEIJOOOS

     
  • At 28 de setembro de 2007 05:34, Blogger Adriana!

    Aii,síndrome do pânico é ##$$%#@...ainda bem que a minha me deixou de lado um pouquinho.
    Amiga...vc não leva fé na homeopatia? eu curei a minha assim...bjs!!!!!!

     
  • At 28 de setembro de 2007 06:56, Anonymous Simplesmente Lú

    ô Amiga!!
    Se acalme logo esses hormonios rebeldes te darão sossego, você vai ver!!
    E seu texto é perfeito vou guardar ele com carinho pra o meu momento de "prenheza"
    bjokas mil e se cuida!!

     
  • At 28 de setembro de 2007 09:21, Blogger Noiva Janinha

    Oi espero que vc esteja melhor hoje...se precisar conversar me mande um email, estou nele quase o dia todo..

    bjs

     
  • At 28 de setembro de 2007 09:23, Anonymous elisangela

    Amiga vc sabe que mesmo sem a gente se conhecer direito, eu tenho um carinho muito especial por vc, nao sei se é pelo fato de sermos muito parecidas, então conte comigo e se quiser conversar, to a disposição, vou lhe passar meu msn e se quiser meu tel me passa um e-mail...bjs
    lilijp_feliz@hotmail.com